João Dória dispara na preferência para o governo paulista nas eleições de 2018, aponta pesquisa


 

Politica - 20/12/2017 - 00:14:47

 

João Dória dispara na preferência para o governo paulista nas eleições de 2018, aponta pesquisa

João Dória dispara na preferência para o governo paulista nas eleições de 2018, aponta pesquisa

 

Da Redação .

Foto(s): Divulgação / PMSP

 

João Dória Jr, PSDB, prefeito da cidade de São Paulo

João Dória Jr, PSDB, prefeito da cidade de São Paulo


O Instituto Paraná Pesquisas divulgou no final da primeira quinzena de dezembro o resultado do levantamento realizado em seis cenários diferentes para as eleições de 2018 para governador do Estado de São Paulo.

O levantamento de dados foi realizado por meio de entrevistas pessoais com eleitores com 16 anos ou mais em 76 municípios do Estado paulista entre os dias 05 a 09 de dezembro passado.

Para a seleção da amostra utilizou-se o método de amostragem estratificada proporcional. Conforme o mapeamento do Estado em 15 mesorregiões homogêneas segundo o IBGE, considerou-se esta divisão geográfica como primeira estratificação. Dentro de cada mesorregião, agruparam-se os municípios em grupos homogêneos, procedendo-se à estratificação proporcional final da amostra. A Paraná Pesquisas encontra-se registrada no Conselho Regional de Estatística da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª e 7ª Região sob o nº 3122/17.

Tal amostra representativa do Estado de São Paulo atinge um grau de confiança de 95,0% para uma margem estimada de erro de aproximadamente 2,0% para os resultados gerais, nas análises das questões por localidade o grau de confiança atinge 95,0% para uma margem estimada de erro no estrato “Demais Mesorregiões do Estado” de aproximadamente 3,0% e na Mesorregião Metropolitana de São de aproximadamente 3,0%.


O resultado da pesquisa pode ser vista no site do instituto


Os seis cenários

O primeiro cenário fica na disputa entre João Doria, atual prefeito de São Paulo, com 27% das intenções de voto, seguido de Celso Russomanno (26,9%) e Paulo Skaf (15,6%). Logo depois vêm Luiz Marinho (3,9%), Rodrigo Garcia (2,7%), Carlos Giannazi (1,8%) e Márcio França, atual vice-governador do Estado (1,8%). Dos entrevistados, diante deste cenário, 16,2% disseram que não votariam em nenhum, enquanto 4,2% não souberam responder.

No segundo cenário, sem Celso Russomanno, o prefeito João Doria aparece com larga vantagem ante Paulo Skaf – 38,6% contra 21,4%, respectivamente. Luiz Marinho vem em terceiro com 5,7%, Rodrigo Garcia com 5,5%, Márcio França com 2,6% e Carlos Giannazi com 2,4%. Neste cenário, 18,3% disseram não votar em nenhum dos nomes apresentados. 5,6% não souberam responder.

No terceiro cenário, com José Serra no lugar de João Doria, é Russomanno quem leva vantagem (26,5%), seguido por Serra (24%), Skaf (17,7%), Luiz Marinho (3,6%), Rodrigo Garcia (2,6%), Carlos Giannazi (1,9%) e Márcio França (1,9%). Dos entrevistados, diante deste cenário, 17% disseram que não votariam em nenhum, enquanto 4,8% não souberam responder.

No quarto cenário, sem Doria e Russomanno, José Serra leva a melhor contra Skaf – 32,4% contra 25,1%, respectivamente. Luiz Marinho vem com 5,7%, Rodrigo Garcia com 4,3%, Márcio França com 2,8% e Giannazi com 2,6%. Dos entrevistados, diante deste cenário, 21,4% disseram que não votariam em nenhum, enquanto 5,7% não souberam responder.

No quinto cenário, contando com a presença de Fernando Haddad, o atual prefeito de São Paulo leva a melhor com 36%, seguido de Skaf (19,2%), Haddad (14,1%), Garcia (4,5%), França (2,4%) e Giannazi (2,1%). Neste cenário, 16,8% disseram não votar em nenhum dos nomes apresentados. 4,9% não souberam responder.

No sexto e último cenário analisado na pesquisa, sem a presença de Doria, José Serra sai à frente com 29,4%, seguido de Paulo Skaf com 22,9%, Fernando Haddad com 14,8%, Rodrigo Garcia com 3,7%, Márcio França com 2,7% e Carlos Giannazi com 2,3%. Não votariam em nenhum dos nomes 19,5% dos entrevistados, e 4,7% deles não saberiam em quem votar.

Potencial de votação entre os tucanos (PSDB)

O prefeito de São Paulo, eleito em 2016, João Doria, aparece como favorito entre os tucanos apontados nos diversos cenários para disputar o Palácio dos Bandeirantes com 40,1% da preferência dos eleitores paulistas. José Serra vem com 26,7%, Luiz Felipe D’Ávila tem 4,2% das intenções e Floriano Pesaro 1,5%. 22,6% dos entrevistados disseram que não votariam em nenhum dos nomes apresentados. 4,9% não souberam responder em quem votariam.

Potencial de votação entre os petistas (PT)

O atual vereador e ex-senador Eduardo Suplicy ficou na vantagem, com 28%, contra o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que apontou 16% da preferência dos entrevistados para ser o representante do PT na disputa ao governo paulista. Luiz Marinho, ex-prefeito de São Bernardo do Campo e, hoje, denunciado pelo Ministério Público Federal no caso do Museu do "Lula" e no caso dos Caças Gripen da Saab, vem em terceiro com 8,5%. 

Entretanto, a taxa de rejeição a todos os nomes do PT é maior que a alcançada por Suplicy: 42,8%. 4,7% não souberam responder em quem votariam se a eleição fosse hoje.

O vice-governador Márcio França do PSB

Na melhor das hipóteses, o atual vice de Alckmin, Márcio Franca, PSB, não chega a 3% das intenções de voto, ficando, sempre, entre a penúltima e a última posição nos seis cenários avaliados na pesquisa.

O governo tucano de Geraldo Alckmin

No levantamento, 33,2% dos entrevistados classificaram como “ótima/boa” a administração do atual governador do Estado; 36,8% classificaram como “regular” e 28,1% disseram ser “ruim/péssima”. 1,8% dos entrevistados não sabiam ou não opinaram.

A aprovação do governo tucano chegou a 54,2% dos entrevistados; 40,4% desaprovam e 5,4% não souberam responder ou não opinaram.

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Atirador de Campinas trabalhou como auxiliar da Promotoria de SP


Atirador mata quatro pessoas na Catedral de Campinas e se suicida


Comissão da Câmara aprova restrição de foro privilegiado a chefes dos três Poderes


Justificativa eleitoral pode ser feita pela internet


Vagas do Mais Médicos são reabertas


Maioria do TSE rejeita ação do PT contra Bolsonaro