Declaração de bens de Luiz Marinho, PT, nas últimas eleições, geram desconfiança entre especialistas


 

ABCD - 29/05/2019 - 07:52:51

 

Declaração de bens de Luiz Marinho, PT, nas últimas eleições, geram desconfiança entre especialistas

Declaração de bens de Luiz Marinho, PT, nas últimas eleições, geram desconfiança entre especialistas

 

Da Redação .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Luiz Marinho, PT

Luiz Marinho, PT


As últimas Declarações de Bens de 2008, 2012 e 2018 de Luiz Marinho, PT, foram colocadas para análise de especialistas de forma a se projetar sua possível veracidade e confiança.

De acordo com um auditor-contabilista, não é impossível sua veracidade, mas bastante improvável.

Contas Marinho

Na eleição de 2008, o petista Luiz Marinho, ao concorrer para o cargo de prefeito de São Bernardo, apresentou uma declaração onde possui bens, entre dinheiro em espécie e parte de terreno em comunhão de bens, no total de cerca de pouco mais de R$32,5 mil. O que é estranho é que o candidato, na época, havia ocupado cargo de ministro de estado com salário superior a R$27 mil mês o que iria perfazer, no mínimo, R$351 mil anuais. Estranho, durante todo o período em que foi ministro não ter acumulado nenhum bem como automóvel, imóvel, aplicações, dentre outros modelos de investimento e ter gasto todo o salário em despesas pessoais.

Contas Marinho

No que tange ao ano de 2012, quando concorreu à reeleição para prefeito, não houve qualquer evolução patrimonial significativa. Em sua declaração ao TSE apresentou um valor acumulado de pouco mais de R$52,1 mil. Entretanto, neste ano, houve incremento de bens como 1/3 de um terreno, algumas aplicações, mas um valor em conta corrente de apenas R$10,00. Apesar da evolução patrimonial apresentada ter sido de algo em torno de 60%, os valores percebidos como prefeito da cidade poderiam dar, em tese, um maior crescimento patrimonial. Mais uma vez a análise entre receitas e crescimento patrimonial não parecem se ajustar indicando um alto gasto em despesas pessoais para ter um baixo crescimento como o apresentado.

Contas Marinho

Nas eleições de 2018, a declaração apresentada demonstra que a probabilidade de se ter sonegado informações é grande. Nesta declaração a maioria dos bens declarados em 2012 desapareceram, como no caso dos terrenos. Surgiram investimento em ações que seriam provenientes de linha telefônica, algo que, em tese, já deveria constar da declaração de 2012, pois são advindas dos antigos planos de expansão da década de 90. As ações de empresas como Petrobras e Vale não constam mais dessa declaração. Após mais quatro anos à frente da prefeitura, terminada em 2016, o patrimônio teve redução em bens, mas um crescimento escritural. O total da declaração apresentada é de apenas R$64,5 mil, ou seja, teve uma evolução escritural de cerca de 23,8%. Continua sem bens móveis como nas declarações anteriores.

Concluindo, os especialistas disseram que uma melhor avaliação só poderia ser realizada com base nas declarações do imposto de renda de todos os anos, desde 2008 até 2018, mas que a apresentação realizada aponta para eventual "camuflagem", ou seja, apresentação de bens de pouco ou nenhum valor antecipando eventuais bloqueios judiciais de bens.

Caberia, portanto, a técnicos e fiscais da receita analisarem as declarações e os eventuais gastos do ex-prefeito Luiz Marinho, PT, para verificar até onde as declarações não tenham sido uma forma de ocultar patrimônio inviabilizando o bloqueio de bens do petista conforme ocorreu recentemente.

Todos os gráficos desta matéria são reproduções da página do candidato, no TSE, nas eleições de 2008,2012 e 2018.

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Alex Manente não vota a favor dos principais destaques da previdência: policiais, mulheres e professores, dentre outros


Câmara aprova regras especiais de aposentadoria de policiais da União


Câmara aprova mudanças em regras de pensão e para mulheres


Câmara conclui discussão e deve votar reforma da Previdência nesta quarta


Lula, Palocci e Paulo Bernardo viram réus por promessa de corrupção


Após Alex Manente colaborar com derrota de Sérgio Moro, Senado mantém decisão sobre o Coaf