Forças Armadas pode ter orçamento reduzido


 

Nacional - 30/12/2007 - 11:19:32

 

Forças Armadas pode ter orçamento reduzido

Forças Armadas pode ter orçamento reduzido

 

Da Redação com JB Online

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 


As recentes declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que os investimentos em infra-estrutura e os programas sociais serão poupados do corte de despesas a ser anunciado para compensar a extinção da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) fez soar o sinal de alerta na caserna. Há anos os militares reivindicam mais verbas para adquirir e atualizar os armamentos, muitos dos quais já se encontram em estado de penúria. Agora, enquanto os países vizinhos se armam, as Forças Armadas correm o risco de terem novamente seus orçamentos reduzidos. A proposta original do governo era reservar cerca de R$ 6 bilhões do Orçamento do ano que vem para o custeio e investimentos no Exército, na Marinha e na Aeronáutica. Tal volume foi aumentado para aproximadamente R$ 9 bilhões. As Forças receberiam R$ 384,6 milhões, R$ 468,5 milhões e R$ 964,8 milhões para se atualizarem, respectivamente. A derrota do governo no Senado na votação da prorrogação do tributo, no entanto, colocou em xeque o parte do programa de reaparelhamento. A CPMF renderia R$ 40 bilhões por ano aos cofres públicos, até 2011. Além da inquietação entre os militares, a situação já começa a gerar reações no Congresso. Presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, o senador Heráclito Fortes (Democratas-PI) ressalta que países vizinhos como a Venezuela estão conquistando um poderio militar superior ao do Brasil. O país do presidente Hugo Chávez, por exemplo, tem adquirido fuzis, aviões de transporte, caças e embarcações. O Chile também atualizou sua Força Aérea. Já a Colômbia conta com auxílio dos Estados Unidos para manter-se equipada. Saia muito justa Para David Fleischer, professor da Universidade de Brasília (UnB), "o governo está em uma saia muito justa". O cientista político ressalta que os militares "esperaram pacientemente" nos últimos anos por mais verbas porque compreenderam que o presidente Lula precisava manter a austeridade fiscal no início do governo. A compra de caças supersônicos para a Aeronáutica prevista para 2003, por exemplo, foi suspensa. Fleischer diz que atualmente o Brasil tem como manter minimamente sua soberania, pois mantém atividades de patrulhamento do espaço aéreo e da costa. Pondera, entretanto, que o país não teria como responder de forma rápida e eficaz eventuais ataques a alvos estratégicos, como usinas hidrelétricas ou pontes. "A atualização dos vizinhos é preocupante. Ainda bem que há uma relação de paz e amor com a Argentina e a redemocratização da região melhorou a situação", comenta. Apesar das constantes afirmativas dos ministros Celso Amorim (Relações Exteriores) e Nelson Jobim (Defesa) de que o Brasil não entrará em corridas armamentistas, os comandantes demonstram preocupação. O comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, por exemplo, declarou que o Brasil precisa ter força suficiente para desencorajar qualquer agressão militar. "A simples existência dessa força é suficiente para evitar que qualquer outro Estado pense fazer alguma ação que não deva. A estratégia de dissuasão depende da manutenção de forças suficientemente poderosas e aptas ao emprego imediato. Está intimamente ligada ao reaparelhamento. O que a gente constata?", indagou o oficial, que e em seguida respondeu. - Uma perda da capacidade dissuasória. ;

Links
.
.
Vídeo


Últimas Notícias




Nascidos em março e abril já podem receber Abono Salarial 2017


Sem moeda & sem cartão


Saiba quais são os empregadores que precisam entregar a declaração


FORD não vai mais atuar no segmento de caminhões na América do Sul


USP cancela matrículas de estudantes de colégios militares aprovados pelo Sisu


Horário de verão termina neste domingo em 10 estados e no DF